Fraude online: 5 tendências para as fraudes online

Fraude online: 5 tendências para as fraudes online

A fraude on-line se mostrou um braço bastante importante do crime cibernético ao longo do ano que passou. Vimos uma série de acontecimentos graves, preocupantes e até mesmo curiosos durante 2016, casos que chamaram a atenção até mesmo de quem é especialista no combate a este tipo de golpe: vazamentos gigantescos de dados pessoais e financeiros, golpes de dimensões continentais, fraudes engenhosas e absurdas, ataques de robôs a dispositivos de internet das coisas…

 

A lista de acontecimentos de fraudes online que impressionaram nossa equipe de especialistas na Konduto foi enorme. Mas, enquanto olhávamos as fraudes para trás analisando o que ocorreu, realizamos uma série de exercícios para tentar imaginar o que está por vir em 2017 para o campo da análise de risco e elencamos as 5 principais tendências da temporada. Decidimos, inclusive, compartilhar este resultado com você e com todo o mercado!

 

Confira:

 

1. Os dados cadastrais são confiáveis nas fraudes online

Os dados cadastrais em compras online sempre vão bater – especialmente quando se tratar de uma fraude! Esta talvez seja a previsão mais fácil de fazer, principalmente em decorrência dos inúmeros vazamentos de dados pessoais nos últimos anos. Para termos uma ideia, nos últimos dias de 2016, o Yahoo confirmou um vazamento de dados que pode ter exposto 1 bilhão de usuários (ou cerca de 15% da população mundial)!

 

Diversas informações pessoais nossas circulam abertamente pela internet, e cibercriminosos se aproveitam disso para conseguirem realizar uma compra “perfeita” – cadastralmente falando. Nome, CPF, dados pessoais, número de telefone… muitas destas informações vão bater. Em 2017, definitivamente, quem combate a fraude terá que desconfiar – e muito! – de dados cadastrais.

 

2. Atenção à fraude online via dispositivos mobile

O mundo fica mais mobile a cada dia, e nossos smartphones já são praticamente um anexo dos nossos corpos. Usamos estes aparelhos para trocar mensagens, tirar (e compartilhar) fotos, ler notícias, jogar joguinhos, conhecer pessoas, checar a previsão do tempo… e, dentre muitas outras coisas, fazer compras. Muitas compras! Em 2016, mais de um terço das transações registradas no Brasil partiram de dispositivos mobile.

 

O mesmo fluxo deve acontecer também no que diz respeito às fraudes online. Atualmente, quase 20% das tentativas de compras ilegais partem de smartphones ou tablets, mas a expectativa é que este número salte consideravelmente ao longo de 2017. Sinal de alerta para quem vende por apps!

 

3. Os fraudadores online são criativos

Fraudadores online sempre estão tentando driblar as barreiras de segurança criadas por antifraudes e lojas virtuais, e muitas vezes nos deparamos com tentativas de golpes bastante engenhosos. Só em 2016, por exemplo, vimos casos de lojas criadas com o nome de marcas famosas que não possuíam e-commerces, de criminosos que fizeram compras e enviaram os produtos para as próprias vítimas e até de uma quadrilha que fez compras com cartões quebrados.

 

A criatividade para as fraudes online é uma marca registrada dos fraudadores, e novas artimanhas serão utilizadas por eles. “Ok, e quais artimanhas?”, talvez você esteja se perguntando. Temos algumas (muitas) suspeitas, mas não vamos entregar o ouro… não é mesmo?

 

4. Machine learning: a grande arma contra a fraude online

Quando fraudadores detectam alguma vulnerabilidade em lojas virtuais, não têm piedade na hora de aplicar golpes. E há ainda um agravante: às vezes, pode levar muito tempo para que um agente humano se dê conta deste ataque criminoso até fazer os ajustes necessários no sistema antifraude.

 

É aí que entra o machine learning: trata-se da inteligência artificial monitorando os modelos de risco e fazendo ajustes em tempo real, sem a necessidade de uma intervenção humana. Não à toa, diversas empresas hoje em dia investem no uso desta tecnologia para barrar transações fraudulentas.

 

5. Investigações e prisões de fraudadores

A fraude online é um crime pouquíssimas vezes levado adiante judicialmente. Entretanto, um movimento muito interessante nos surpreendeu ao longo do último ano: em vários cantos do planeta pipocaram investigações por parte de órgãos bastante relevantes – inclusive no Brasil, com a Polícia Federal deflagrando a Operação Chargeback. A tendência é que isso se estenda para 2017, novos inquéritos sejam abertos e mais quadrilhas especializadas sejam desmanteladas no mundo inteiro.

 

Talvez o principal foco dessas investigações não seja de fato o estelionato relacionado à compra ilegal com cartões clonados – mas estes crimes devem vir na mesma esteira das descobertas que acabarão sendo feitas. A Europol, principal serviço policial da Europa, chegou a relacionar crimes cibernéticos até mesmo ao terrorismo. A lavagem de dinheiro também deve ser uma importante preocupação dos órgãos federais.

 

E você, concorda com as nossas previsões? Para você, o que faltou acrescentar? Conte para a gente!

 

Comentários