Dia das Crianças alavanca varejo online

Dia das Crianças alavanca varejo online

Embora a economia do país atravesse um momento delicado, as vendas no comércio eletrônico brasileiro seguem melhorando nos últimos meses. Uma prova disso, foi o bom resultado das vendas online no Dia das Crianças. Segundo a projeção do E-bit, a expectativa é que o e-commerce registre nesta data sazonal um faturamento de cerca de R$ 1,64 bilhões, aumento de 11,5% em relação ao mesmo período de 2015.

 

Ainda de acordo com o E-bit, cerca de 4 milhões de pedidos eram aguardados pelas lojas virtuais de todo o país no período de 28 de setembro a 11 de outubro, com ticket médio de R$ 413, valor 7,4% acima do registrado no ano passado. Bonecas, fantasias, blocos de montar, bonecos e personagens, jogos diversos, animais de pelúcia, patins e mini-veículos motorizados figuram entre os itens mais vendidos.

 

O segundo semestre do ano é sempre o período em que o e-commerce mais vende no Brasil. O setor já havia registrado crescimento de 11% em agosto, em comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com levantamento divulgado, recentemente, pela Mastercard. Os destaques positivos ficaram por conta dos setores de móveis e vestuário. Sob esse contexto, o comércio eletrônico é um dos poucos segmentos da nossa economia que deve apresentar crescimento em 2016.

 

É importante observar que o 12 de outubro também foi um momento oportuno para os lojistas virtuais otimizarem o estoque e liberarem espaço físico. Muitas promoções e condições especiais de frete foram realizadas, ajudando os empreendedores a liquidarem os artigos infantis. Isso sem falar em campanhas ainda maiores, com ofertas durante todo o mês de outubro, como o Mês das Crianças. É uma das datas mais importantes do varejo, sendo considerada equivalente ao Natal para as lojas de brinquedos.

 

Já os e-shoppers, além de poderem comparar os preços para evitar pagar mais caro em um mesmo produto, também tiveram a oportunidade de aproveitar diversos cupons promocionais, o que diminuiu o valor total da compra sem comprometer a qualidade do presente.

 

Por Ricardo Laureano Siqueira, fundador e CEO da KOIN.

 

Comentários