Segmentação, engajamento e conteúdo… Ou seria o contrário?

Segmentação, engajamento e conteúdo… Ou seria o contrário?

Conteúdo

Há uma fábrica de sopa de letrinhas em permanente produção. Mas existem termos que vieram para ficar,neste ou no século passado. Se repete como um mantra atualmente que o conteúdo é rei. Ecoa esta frase no distante SXSW até as salas de aula da ESPM, PUC e outras universidades. Sempre foi e sempre será.

 

Conteúdo de todo o tipo. Pode ser técnico, sobre o produto, pode ser institucional sobre a empresa e sua história. Pode ser conteúdo educativo em torno do produto, dicas de segurança, uso, aplicação, quem usa no mundo etc.

 

Por exemplo, o vinho:

 

Você poderia discorrer sobre o produto em si, tipo de uva, safra, tipo de armazenamento. Poderia falar da vinícola, sua história, colaboradores, fundadores, sede.

E poderia fazer um conteúdo geral sobre o hábito de beber vinho, seus benefícios, seu risco em grandes doses, as melhores práticas de armazenamento doméstico, como abrir a garrafa etc.

Engajamento

 

 

Ao proporcionar conteúdo de qualidade a empresa atrai consumidores. Cria empatia, confiança e vira fonte.

 

Mais do que isso é reverberada pela internet em reportagens de redes sociais, em e-mails encaminhados. E assim aumenta a base de leitores de suas newsletters, de seguidores e fãs nas redes sociais.

 

E aumenta a venda de seus produtos.

Segmentação

 

 

Aqui vem a chave para se manter o engajamento em alta, melhorar o conteúdo e sua distribuição. A segmentação é a chave do sucesso na internet. A era do spam acabou. Acabou o tiro de canhão e entrou o tiro de precisão.

A segmentação inicia no opt in do e-mail marketing.

 

No seu site na opção de cadastramento para receber e-mails, nosso fictício empresário do vinho colocaria 4 opções:

 

As opções são:
1. Quero receber informações sobre o produto.
2. Quero receber informações sobre a vinícola.
3. Quero receber informações sobre o hábito de beber vinho e dicas a respeito.
4. Quero receber todas as anteriores.

 

Mais legal. Na sequência nosso empresário poderia aumentar a segmentação da sua base de e-mail marketing. Criar grupos de envio baseados no relatório de cliques de cada e-mail enviado. Quem mais clica e se interessa por espumantes por exemplo.

 

Cria-se o grupo ESPUMANTES na base de e-mails. E ele poderá então mandar conteúdo específico sobre espumantes e champanhes para uma base sabidamente interessada neste tipo de produto. Aumenta o engajamento e a conversão.

Nas redes sociais

 

 

É muito importante a empresa passar a administrar a sua base de contatos em seu CRM de forma diferente do usual. Por exemplo, passando a registrar se o contato é um evangelizador da marca. Aquele cliente ou contato que interage com os posts da empresa e de seus colaboradores. Ou que com frequência comenta. Ou curte.

 

É possível então fazer aqui um cross media bem bacana. Selecionar uma base bem segmentada de fãs das redes sociais e enviar para eles um email marketing.

 

Bingo!

Estratégia comprovadamente com altíssimos índices de conversão. Existem ainda outras dezenas de possibilidades nessa linha. Como um aplicativo para o Facebook que a partir da página da rede social faz Opt In (cadastramento voluntário) direto na base do email marketing da empresa.

 

Então você segmenta sua base, engaja ela e envia conteúdo pertinente e de qualidade.

 

Pera. Seria o contrário?


Publicado originalmente em: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2016/03/marcas/artigos/edicao_2016/488946-segmentacao-engajamento-e-conteudo–ou-seria-o-contrario.html

 

Comentários